Desvende de uma vez por todas a certificação LEED

    Desvende de uma vez por todas a certificação LEED
    Carolina Scordamaglio

    Por Carolina Scordamaglio

    20 junho 2019

      Talvez você já tenha lido ou ouvido esse nome em algum lugar. Você sabe que é uma coisa boa, porque é relacionado a sustentabilidade, mas não entende direito quem concede e como faz para ganhar esse selo.

      Descubra quem criou e quais os critérios da certificação verde que ganha cada dia mais força no mercado imobiliário.

      Quer um spoiler? No final, você vai sentir um orgulhinho do nosso país devido a certificação.

      Quem inventou o LEED

      A United States Green Building Council (USGBC) é uma instituição sem fins lucrativos que nasceu em 1993 com a missão de promover práticas focadas na sustentabilidade na indústria da construção. Ela define seu propósito como: ”a transformação da forma como os edifícios e as comunidades são projetados, construídos e operados, possibilitando um espaço ambientalmente e socialmente responsável, saudável e próspero que melhora a qualidade de vida”.

      Quando seus fundadores e representantes de mais de 60 empresas se reuniram para discutir novos caminhos para a construção, logo perceberam a necessidade de criar um sistema próprio de definição e mediação de edifícios sustentáveis.

      Nasce, então, a certificação LEED – Leadership in Energy and Environmental Design (Liderança em Energia e Design Ambiental) com os seguintes objetivos:

      • Estabelecer um padrão comum de avaliação;
      • Propagar a visão da instituição;
      • Sensibilizar os consumidores para os benefícios da construção verde
      • Estimular a concorrência;
      • Promover as lideranças mundiais no âmbito de construções sustentáveis.

      Para isso, a instituição atua nas seguintes formas: Educação (apresentando para a indústria melhores práticas em green building), lobby (fornecendo ferramentas e estratégias para líderes locais e nacionais), recursos (ferramentas para equipes de projetos desenvolverem um projeto mais sustentável) além de diversos comitês e feiras e conferências.

      Como funciona a certificação LEED

      Desde sua criação o sistema de certificação está em constante evolução para abranger cada vez mais todos os aspectos do processo de construção.

      Existem hoje no Brasil oito selos LEED para atender a diferentes tipos de construções. Eles estão separados em quatro categorias:

      BD+C – Building Design + Construction ( para novas construções e grandes reformas )
      ID+C – Interior Design + Construction ( para escritórios comerciais e lojas de varejo )
      O+M – Operation e Maintenance ( para empreendimentos já existentes )
      ND – Neighborhood ( para desenvolvimento de bairros )

      A certificação é feita através de um sistema de pontuação que analisa os seguintes pontos:

      Localização e transporte / Espaço sustentável

      Aplicável tanto para estratégias durante a implantação do empreendimento (obra) quanto para projetos urbanos. Alguns dos pontos avaliados são: Prevenção da poluição na atividade da construção, maximização de espaços abertos (ex.: praças e terraços), acesso a transporte público, redução de área de estacionamento (desestímulo ao uso do automóvel), presença de bicicletário entre outros.

      Eficiência do uso da água

      Valoriza iniciativas como o reaproveitamento de águas de chuvas, uso responsável da água no paisagismo, arejadores em torneiras, diminuição da pressão e presença de estação de tratamento de água.

      Energia e atmosfera

      Avalia o desempenho de uso de energia e premia equipamentos e sistemas eficientes como geradores a gás, sensores de presença para iluminação e geração local de energia (ex. aquecedores solares, painéis fotovoltaicos).

      Materiais e recursos

      Avalia a utilização de materiais de baixo impacto ambiental e redução de resíduos. Por exemplo, a utilização de madeira certificada, gestão de resíduos na construção (separação e descarte consciente) e reúso de materiais.

      Qualidade ambiental interna

      Preza pela qualidade interna do ar, principalmente em ambientes de longa permanência, incentivando atitudes como: monitoramento da qualidade do ar exterior, controle de ventilação, espaços com vista externa e luz natural e escolha de materiais com baixa emissão de compostos orgânicos voláteis.

      Inovação e processos

      Premia novas iniciativas no campo de desenvolvimento sustentável e green building.

      Créditos de prioridade regional

      Essa pontuação varia de acordo com cada local, levando em consideração as características ambientais, sociais e econômicas da região.

      Cada uma das categorias possuem pré-requisitos, que são obrigatórios para a obtenção da certificação e créditos que, acumulados, definirão a categoria da certificação. Ela pode ser: LEED Certified, Silver, Gold ou Platinum.

      Imagem do post

      A crescente adesão da população à práticas sustentáveis contribui para o fortalecimento da certificação e, consequentemente, o reconhecimento do consumidor, valorizando a marca e o produto que carrega o selo.

      Estudo da Fundação Getúlio Vargas, liderada pelo Professor Phd. Odilon Costa, aponta que apenas o fator “certificação LEED”, independente de outros fatores como localização, idade da laje, tamanho, dentre outros, favorece uma valorização por metro quadrado no aluguel de 4% a 8%.

      Já os benefícios ambientais são inúmeros: Redução da extradição de recursos naturais, redução do consumo de água e energia, mitigação dos efeitos das mudanças climáticas, redução, tratamento e reuso de resíduos da construção e operação.

      Os frutos dessas práticas todos nós colheremos.

      O LEED no Brasil

      No ano passado, na Greenbuilding Brasil, feira promovida pela USGBC, foi divulgado o ranking anual dos dez países com maior número de projetos LEED do mundo. O Brasil ocupou a quarta posição com mais de 460 empreendimentos certificados LEED, totalizando mais de 14,8 milhões de metros quadrados, atrás apenas do Canadá, Índia e China.

      Muitos desses projetos se tornaram referência e nos dão esse motivo para nos orgulharmos.

      O JK 1455 foi o primeiro prédio do país a, depois de construído, passar por uma série de melhorias para redução de impacto ambiental na operação e manutenção e obter a certificação LEED Nível Gold.

      Edifício JK 1455
      JK 1455

      Em entrevista a AECWeb, Hilton Rejman, diretor de Desenvolvimento da CCP conta que o processo passou por um programa educacional a fim de envolver e engajar os funcionários à mudança de hábitos de consumo.

      No Eldorado Business Tower, prédio com certificação LEED entregue em 2007, 100% da água utilizada no paisagismo e na limpeza da garagem é reaproveitada das águas de chuvas e das condensadoras dos ar-condicionados.

      Eldorado Business Tower
      Eldorado Business Tower. Imagem: Rodrigo Paiva

      Um dos mais icônicos da cidade de São Paulo, o complexo Rochaverá Corporate Towers da construtora Método Engenharia conta com mais de 20 mil m² de área construída. O empreendimento de alto padrão recebeu o selo LEED Gold através da redução de impactos durante a construção e amplo aproveitamento de recursos na fase de operação.

      Rochaverá Corporate Towers
      Rochaverá Corporate Towers. Imagem: Ana Mello

      Quer relatar sobre algum erro?

      Avise a gente
      LEIA TAMBÉM
      Posts relacionados
      News do Live

      Cadastre-se grátis e aproveite nossos conteúdos sobre arquitetura, decoração, mercado imobiliário e mais.

      Seu melhor e-mail