Viver o Brasil: conheça o Mercado Ver-o-Peso, em Belém

    Viver o Brasil: conheça o Mercado Ver-o-Peso, em Belém
    Thainá Neves

    Por Thainá Neves

    25 março 2022

      Compartilhar esse post

      Ponto turístico de parada quase obrigatória, o Mercado Ver-o-Peso faz parte de um complexo de 25 mil metros quadrados que envolve construções importantes e praças, atraindo visitantes do País e do mundo.

      Nesse espaço, há comércio variado dos principais produtos e alimentos consumidos no estado do Pará, um passeio que é uma verdadeira imersão na cultura da região amazônica.

      Onde fica o complexo Ver-o-Peso?

      O complexo Ver-o-Peso fica às margens da Baía do Guajará, na bela região de encontro entre os rios Acará e Guamá. A localização é estratégica, em uma zona portuária de Belém na qual barcos vindos de outras cidades e, até mesmo, estados, conseguem ancorar para a descarga de produtos.

      Vista da orla do Complexo-Ver-o-Peso, com barcos atracados ao lado da feira.
      O complexo Ver-o-Peso é um patrimônio arquitetônico e paisagístico de grande importância histórica para o Brasil. Fonte: Flickr

      As edificações e os pontos importantes do complexo estão distribuídos ao longo das vias Boulevard Castilhos França e nas proximidades da Avenida Portugal, conformando um conjunto de extrema importância para o estado do Pará.

      História do complexo Ver-o-Peso

      Belém do Pará é uma região naturalmente portuária, com baías navegáveis que são como vias de acesso a diversas cidades do estado. Essa característica fez do local um ponto de confluência comercial para recebimento e envio de produtos desde a fundação da cidade.

      Fotografia de grande quantidade de barcos pequenos na orla.
      Belém do Pará é uma cidade que possui circulação de mercadorias por rios. Fonte: Flickr

      Nessa época, Belém concentrava produtos extraídos da Amazônia e funcionava como centro de distribuição das mercadorias europeias, por isso o governo português implantou um sistema para fiscalização e coleta de impostos construindo a Casa de Haver o Peso no ano de 1625.

      A região passou por mudanças e modernização na infraestrutura ao longo dos anos, mas sempre mantendo as características comerciais. A Casa de Haver o Peso deu lugar a equipamentos mais elaborados, como o Mercado de Ferro, que possui estrutura importada da Europa.

      Vista de construções históricas, com 2 ou 3 pavimentos e cores variadas.
      O Complexo Ver-o-Peso se integra à paisagem histórica, formando um interessante conjunto para conhecer. Fonte: Flickr

      Ao longo do tempo, edificações foram acrescentadas ao conjunto, tornando o local um ponto de comércio e serviços bastante diversificado. Todo o complexo Ver-o-Peso foi tombado como patrimônio pelo IPHAN no ano de 1995 e posteriormente, no ano 2000, foi restaurado.

      A importância histórica da região é tamanha que no ano de 2008 o Ver-o-Peso recebeu o título de uma das sete maravilhas brasileiras por conta de tudo o que oferece.

      Um complexo de pontos históricos que se complementam

      O complexo Ver-o-Peso é uma porção histórica de Belém que inclui diversos pontos importantes: o Mercado de Ferro, o Mercado da Carne, o Solar da Beira, a Praça do Relógio, a Doca, a Ladeira do Castelo, a Praça do Pescador e a Feira do Açaí.

      Fotografia aérea do complexo Ver-o-Peso, mostrando o Mercado de Ferro, feiras ao ar livre e a orla.
      O complexo Ver-o-Peso é uma porção histórica da cidade de Belém. Fonte: Flickr

      Os edifícios do conjunto apresentam uma arquitetura típica da época colonial, com cores marcantes e fachadas simétricas que, por vezes, lembram uma tranquila vila interiorana. Em outros pontos do complexo, há intenso fluxo de barcos e de feirantes que configura a agitação das grandes capitais.

      Fotografia de um pequeno barco atracado na orla, ao fundo há construções históricas.
      O complexo Ver-o-Peso é uma porção histórica da cidade de Belém. Fonte: Flickr

      Cerca de 20 mil pessoas circulam diariamente no Mercado Ver-o-Peso, uma quantidade que aumenta em datas comemorativas e nos períodos mais atrativos aos turistas. Em outubro, durante a festa religiosa Círio de Nazaré, é um dos momentos de fluxo mais intenso.

      Conheça, a seguir, mais detalhes das localizações que compõem o complexo Ver-o-Peso.

      Mercado de Ferro do Ver-o-Peso

      O Mercado Ver-o-Peso é também chamado de Mercado de Ferro por conta do material de sua estrutura, trazida quase inteiramente da Europa. O edifício possui características estéticas do movimento Art Nouveau em acordo com a proposta elaborada pelos engenheiros Bento Miranda e Raymundo Vianna.

      Vista aérea do Mercado de Ferro, ao lado do Mercado da Carne, que possui o centro do edifício aberto.
      O Mercado de Ferro está próximo da orla, possibilitando fácil abastecimento com mercadorias. Fonte: Flickr

      Inaugurado em 1901, o Mercado possui quatro torres que marcam a paisagem, todas com telhas cerâmicas no modelo Marselha e janelas em meio círculo que contornam a parte superior da construção. Da mesma maneira, os telhados em camadas são uma estratégia para criar aberturas, garantindo que a iluminação natural adentre o espaço.

      Fotografia do Mercado de Ferro visto de frente, com duas torres pontiagudas e janelas em formato de meio círculo.
      O Mercado de Ferro, com suas torres pontiagudas, é um verdadeiro cartão postal na cidade de Belém. Fonte: Flickr

      Além de ser o principal local para a compra de peixe fresco na região, a marcante aparência do Mercado e a maneira como se integra à paisagem fez com que se tornasse o cartão postal de Belém. 

      Mercado Municipal da Carne

      Como o próprio nome diz, esse local é o principal comércio de carnes da região, sendo também conhecido por Mercado Francisco Bolonha em homenagem ao engenheiro que o remodelou. Há 60 boxes em seu interior, garantindo variedade de produtos e de opções para consumo no local.

      A fachada do Mercado é de alvenaria, com aberturas dispostas lado a lado criando um ritmo regular na construção. Outro ponto de destaque é a pintura em tom neutro que deixa em evidência os frisos brancos emoldurando as portas e as janelas.

      Fotografia do aérea Mercado Municipal da Carne, um edifício em formato quadrado e com pátio ao centro.
      O Mercado Municipal da Carne está localizado próximo do Mercado de Ferro, em frente ao Solar da Beira. Fonte: Flickr

      Observando a partir de uma vista aérea, é possível identificar o Mercado Municipal da Carne por meio do grande pátio central no qual estão as estruturas erguidas com o ferro fundido importado da Escócia. Essa é uma das maiores estruturas do complexo Ver-o-Peso.

      O contraste entre os materiais, alvenaria e ferro, é o que torna a estrutura dinâmica. Além disso, o ferro na cor verde é repleto de entalhes que criam camadas rendilhadas no pavilhão, uma bela surpresa para quem visita o local.

      Vista do pátio interno do Mercado Municipal da Carne, uma atração do Complexo-Ver-o-Peso por conta da sua estrutura em ferro rendilhado.
      O mirante do Mercado Francisco Bolonha foi reformado para que os visitantes apreciem o local a partir de um ponto de observação diferente. Fonte: Flickr

      Complementando o edifício, há o mirante com escadaria espiral. Esse elemento foi projetado como estrutura para a caixa d’água, mas, após as reformas, foi transformado em um ponto de observação para que visitantes apreciem a construção.

      Solar da Beira

      O Solar da Beira é parte importante do complexo Ver-o-Peso, tendo passado por inúmeras mudanças de função ao longo dos anos. O edifício foi construído com a função administrativa, posteriormente se tornou um restaurante e, após reforma realizada em 2012, converteu-se em centro cultural.

      A consolidação da sua importância para a cidade aconteceu com o tombamento como patrimônio histórico pelo IPHAN.

      Fotografia da facha0da do Solar da Beira, um edifício de dois pavimentos que passou por um processo de restauração.
      O Solar da Beira é um edifício com características neoclássicas, localizado no centro comercial Ver-o-Peso. Fonte: IPHAN

      O exterior possui estética neoclássica, com frisos na separação dos andares, nas janelas e na cobertura. Já o interior, em contraste com a detalhada ornamentação do edifício, é composto por tijolos maciços e escada de circulação metálica.

      Fotografia do interior do edifício, com estrutura em arcos e tijolinho.
      O interior do edifício possui estética rústica e circulação feita em elementos metálicos. Fonte: Flickr

      No processo de restauração e reforma do edifício, foram encontrados inúmeros fragmentos de louças, vidro e objetos do cotidiano do século XX de Belém. Esses achados foram catalogados e transformados em exposição dentro do próprio Solar da Beira.

      Praça do Relógio

      A Praça Siqueira Campos, mais conhecida como Praça do Relógio, foi construída no terreno onde antes existia um edifício destinado à Bolsa de Valores para homenagear um revolucionário paraense.

      Fotografia antiga da Praça do Relógio, contornada por paisagismo.
      Praça do Relógio na década de 1970, um marco na paisagem de Belém. Fonte: FAUUFP

      O relógio inglês que dá o nome à praça, está fixado no topo de uma torre de 12 metros de altura, localizada bem ao centro do espaço. Próximo da base da torre, há medalhões representando as estações do ano. 

      Em tempos passados, a função de marcação das horas era feita tanto pelos ponteiros como pela sirene que completava o conjunto, com sinalização sonora às 8h, 12h e 18h.

      Vista aproximada do relógio, com algarismos romanos.
      O relógio inglês possui estrutura com detalhes ornamentais que percorrem toda a torre. Fonte: Expedição Pará

      O local, além de famoso ponto turístico do complexo Ver-o-Peso, é palco para eventos importantes como o carnaval de rua e manifestações políticas, garantindo visibilidade aos acontecimentos que marcam as épocas.

      Estação das Docas

      A Estação das Docas é composta por 500 metros de orla fluvial, transformada em complexo turístico no início dos anos 2000, com estruturas que abrigam um qualificado centro gastronômico, cultural e de comércio. Junto do passeio há três boulevards e um terminal para embarque e desembarque dos transportes de passeio aquático.

      Vista da Estação das Docas. Ao lado direto há uma grande construção em estrutura metálica que abriga comércios e restaurantes, enquanto à esquerda há a Baía.
      A Estação das Docas é composta por três armazéns, um ponto de embarque junto de mais de 500 m de orla caminhável. Fonte: Flickr

      No térreo de uma das estruturas estão concentrados os estabelecimentos de alimentação, como restaurantes e bares com música ao vivo. Já no segundo pavimento, concentram-se lojas de roupas, acessórios, perfumaria, artigos para presente e outras variedades.

      Na Estação das Docas, há também um espaço de eventos privados que acomoda bem até 700 pessoas, sendo bastante utilizado para festas de casamento.

      Fotografia do interior dos armazéns, com cobertura e escadas metálicas.
      Os armazéns possuem estrutura em ferro inglês e fechamentos translúcidos que permitem vista para a orla. Fonte: Flickr

      O funcionamento do local acontece todos os dias da semana, a partir das 10h da manhã, exceto aos domingos, quando o funcionamento se inicia mais cedo, às 9h da manhã.

      Rua Ladeira do Castelo

      Essa via é um dos caminhos que se desenvolveu a partir da Rua Siqueira Mendes, a qual é considerada a primeira rua de Belém. A marcação de bonde que corta o trajeto, bem como o piso de pedras por si só evidenciam a quantidade de história que a região possui.

      Vista da ladeira do castelo, uma rua histórica que conta com antiga estrutura para bonde passando ao centro.
      A Rua Ladeira do Castelo é considerada uma das primeiras vias de Belém. Fonte: Flickr

      As construções que margeiam o caminho têm fortes traços da arquitetura colonial desenvolvida no início da história da cidade. Além do recuo que resulta em calçadas estreitas, as edificações são totalmente unidas entre si, formando extensas fachadas com janelas ritmadas.

      Feira do Açaí

      A Feira do Açaí acontece em uma porção da orla do complexo Ver-o-Peso, ao ar livre, entre a Rua Ladeira do Castelo, o Mercado de Ferro e a Praça do Relógio. Além disso, os comerciantes não contam com estruturas físicas como barracas ou estandes expositores, pois a negociação do produto é feita muito rapidamente.

      Fotografia dos cestos de açaí empilhados ao amanhecer da feira.
      O açaí é transportado em cestos arredondados que enchem a paisagem durante a madrugada. Fonte: Flickr

      O movimento começa ainda de madrugada, quando os barcos chegam para descarregar quilos de açaí produzidos nos vilarejos e nas fazendas. Quando os raios de sol aparecem clareando o dia, a orla adquire outras funções e o fluxo desse comércio, em específico, praticamente desaparece. 

      Cestos de açaí cheios do grão.
      A Feira do Açaí abastece toda a cidade de Belém. Fonte: Flickr

      O açaí é bastante utilizado na culinária da região, portanto essa feira se torna essencial para o abastecimento dos restaurantes e das lanchonetes de Belém. É comum que o fruto seja vendido inteiro para posteriormente passar pela despolpadeira, no entanto alguns fornecedores já vendem o produto em polpas, após passá-lo pelo processo.

      A rica culinária do complexo Ver-o-Peso

      Os mercados municipais têm como característica principal o comércio de produtos típicos da região na qual está inserido, assim o complexo Ver-o-Peso é conhecido pela venda de produtos da região amazônica.

      Comércio ao ar livre no complexo Ver-o-Peso, com produtos dispostos ao longo da calçada da orla.
      Seja no comércio ao ar livre seja no interior dos mercados, o complexo Ver-o-Peso oferece diversidade de produtos para compra. Fonte: Flickr

      Além dos mercados que comercializam carnes, peixes, frutos do mar e da feira voltada exclusivamente para a venda de açaí, há outras opções para realizar a compra de alimentos e experienciar a gastronomia regional no Ver-o-Peso. 

      Feira Ver-o-Peso 

      Essa é uma feira fixa que acontece sob extensa estrutura de lona tensionada, bem ao lado do Solar da Beira, com quiosques que comercializam frutas regionais, raízes, temperos, óleos medicinais e artesanato.

      Vista aérea da Feira, um elemento importante do complexo Ver-o-Peso.
      Localizada junto ao Solar da Beira, a feira Ver-o-Peso é um ótimo passeio gastronômico para conhecer os produtos da região amazônica. Fonte: Flickr

      Esse é o ponto do Ver-o-Peso que permite conhecer e provar diferentes alimentos, especialmente as frutas típicas da região amazônica, como o bacuri e o jambu. Os setores são organizados por especialidades, assim você encontra facilmente o que procura. 

      Fotografia de um dos boxes da Feira Ver-o-Peso, com produtos alimentícios dispostos em grandes mesas.
      A Feira Ver-o-Peso é fixa e acontece diariamente em horário de funcionamento mais extenso que os outros mercados. Fonte: Flickr

      Próximos à orla estão os boxes que servem refeições preparadas na hora, incluindo receitas únicas, como tacacá, a maniçoba e, é claro, o famoso peixe-frito com açaí.

      Vista da Feira Ver-o-Peso que acontece sob uma cobertura tencionada branca.
      Ao lado da orla, há opções de refeições completas. Fonte: Flickr

      Há mais de mil comerciantes cadastrados para venda de produtos no Mercado de Ferro do Ver-o-Peso, além de vendedores e ambulantes não cadastrados que circulam pela feira e pela orla comercializando os seus produtos. Portanto, se você procura mais do que alimentos, também irá encontrar outras opções nos comércios da região. 

      Bacias, jarras, vassouras e artesanato dispostos em frente a um dos boxes da Feira-Ver-o-Peso.
      Além dos produtos alimentícios, o comércio do Ver-o-Peso oferece produtos artesanais de variados modelos. Fonte: Flickr

      A visita ao complexo Ver-o-Peso proporciona também um panorama sobre a diversidade de etnia, afinal as tradições indígenas estão presentes em todo o complexo Ver-o-Peso, especialmente no artesanato e nas práticas medicinais.

      Refeições e alta gastronomia

      Nas docas, estão os principais restaurantes para aproveitar a culinária local e a alta gastronomia. O Lá em Casa, por exemplo, serve petiscos como beiju crocante, pastel de vatapá e possui também opções veganas como o quiche de castanha-do-pará e palmito. 
      Para se refrescar do calor de Belém, a sorveteria Cairu e a Gelateria Damazônia são duas grandes atrações gastronômicas da Estação das Docas, dispondo em seus cardápios de sabores de sorvete como cupuaçu com castanha-do-pará, taperebá e tapioca.

      Instalações da sorveteria Cairu, localizada no interior da Estação das Docas.
      A sorveteria Cairu é uma das mais tradicionais das Docas. Fonte: Mineiros na Estrada

      Ao longo do dia, o complexo Ver-o-Peso se transforma, passando de um movimento intenso de comerciantes e compradores, na parte da manhã, para um local boêmio que permite aproveitar os bares e os restaurantes no entardecer da Estação das Docas. Portanto, esse ponto da cidade é também onde a vida noturna se torna mais agitada. 

      O Amazon Beer é um desses locais e, além das bebidas tradicionais, possui opções artesanais fabricadas com ingredientes típicos da região amazônica, a exemplo do açaí e das sementes do cumaru.

      Fotografia da área externa de um dos armazéns, com mesas e cadeiras dispostas com vista para a Baía.
      Os armazéns possuem estrutura em ferro inglês e fechamentos translúcidos que permitem vista para a orla. Fonte: Flickr

      Belém reúne atrações turísticas e comodidades para quem deseja morar

      O Ver-o-Peso é uma das inúmeras atrações encontradas em Belém. A poucos metros do complexo, ao longo da Rua Ladeira do Castelo, estão o Forte do Presépio, a Casa das Onze Janelas, a Catedral Metropolitana de Belém e o Museu de Arte Sacra.

      Fotografia do forte, com um canhão localizado em uma porção alta da cidade, próximo do Complexo-Ver-o-Peso.
      Belém é uma cidade que reserva inúmeras curiosidades arquitetônicas e históricas como o Forte do Presépio. Fonte: Flickr

      Seguindo para outros pontos da cidade, há ainda o belo Parque Zoobotânico Mangal das Garças, projetado pela arquiteta Rosa Kliass, e o famoso Theatro da Paz. 

      Belém, de fato é uma cidade turística e, além disso, oferece cada dia mais comodidades para quem deseja viver na capital do estado do Pará.

      Botão clicável que leva a empreendimentos novos em Belém.

      Quer relatar sobre algum erro?

      Avise a gente

      LEIA TAMBÉM
      Posts relacionados
      News do Live

      Cadastre-se grátis e aproveite nossos conteúdos sobre arquitetura, decoração, mercado imobiliário e mais.

      Seu melhor e-mail