Ilhas de calor – Por que o centro das cidades é mais quente?

Talvez você já tenha percebido, talvez não, que o centro de grandes cidades pode chegar a ter uma temperatura 10 graus acima da das áreas rurais ao redor dele, um fenômeno conhecido como ilha de calor.

Um forninho de concreto

Os maiores motivadores dessa diferença climática são os materiais que revestem a cidade, em sua maior parte o concreto, que absorve muito calor e não é capaz de refletir a energia proveniente dos raios solares.

Embora possamos encontrar vídeos de pessoas fritando ovo na calçada, é pouco provável encontrar alguém fritando ovo na terra ou na grama. Isso porque esses materiais trocam calor com o ambiente de maneira mais equilibrada.

Conforme as cidades foram substituindo esses revestimentos naturais por materiais que retêm calor, o ambiente se tornou muito mais quente.

Água, o grande climatizador

Outra fator que impacta esse aumento da temperatura é a falta de evaporação de água no ambiente.

Para mudar do estado líquido para o gasoso, a água rouba muito calor , o que pode ser demonstrado pelo próprio sistema de refrigeração do nosso corpo, o suor.

Quando as gotículas de suor evaporam de nossa pele, elas resfriam o corpo.

Esse mesmo processo acontece com o ambiente nas cidades, ou pelo menos deveria acontecer, mas elas são repletas de revestimentos que não absorvem água, que acaba indo parar nos bueiros.

As plantas também são responsáveis por diminuir a temperatura do ambiente por meio da evapotranspiração, assim, quanto menos plantas possuímos, mais a temperatura local aumenta, criando uma ilha de calor.

A quantidade de água que evapora também é responsável pela umidade do ar, por isso, quanto menor a umidade, maior a sensação de calor.

Curiosidade: Em muitos países, os bombeiros, ao confrontar incêndios, esquentam a água antes de jogá-la contra o fogo, assim ela evapora mais rápido e rouba mais calor do ambiente.

Uma parede contra os ventos

Outra forma utilizada pelo ambiente para se resfriar é a troca de ar, que acontece geralmente através dos ventos. Esse fenômeno é muito fácil de ser percebido quando ligamos um ventilador.

Em uma grande cidade, com vários prédios, um ao lado do outro, o vento encontra dificuldade para se mover, pois cada prédio é um obstáculo que diminui a sua velocidade.

Isso retarda a troca do ar, que naturalmente acontece, fazendo o ar da cidade permanecer mais tempo no ambiente, o que significa mais tempo esquentando, consequentemente causando uma alta na temperatura que sentimos, além daquela sensação de abafamento.

Milhares de fontes de calor no mesmo local

O Sol é responsável pela maior parte do aquecimento da atmosfera, já que é uma fonte de calor majestosa; mas nós também somos, mesmo que em uma escala muito menor.

Se você já esteve em um ambiente pequeno com várias outras pessoas, é fácil perceber como o local vai ficando gradualmente mais quente; isso acontece porque o corpo humano irradia calor o tempo todo. 

As atividades do corpo humano funcionam, de maneira ideal, a uma temperatura de 36,5 ºC, em média, e nós estamos constantemente trocando calor com o ambiente, por isso nosso corpo precisa constantemente produzir calor para nos esquentar, o que acaba esquentando o ambiente ao mesmo tempo.

Então, mesmo que não seja tão fácil sentir, os milhões de corpos humanos presentes nas grandes cidades contribuem para o aumento da temperatura do ambiente.

E o nosso corpo não é o único motor produzindo calor nos grandes centros urbanos, existem milhões de outros.

Todos os carros presentes nos congestionamentos, produzindo cada vez mais calor enquanto explosões controladas acontecem dentro de seus motores movidos a combustão, esquentam o ambiente. Assim como o subproduto dessa reação, o gás carbônico quente que sai dos escapamentos e mistura-se com o ar.

Lâmpadas, computadores e demais fontes de calor que podem ser encontradas na cidade, mesmo que à primeira vista pareçam causar um aquecimento irrisório, quando combinadas, contribuem para a criação das ilhas de calor.

Existe salvação para o inferno

É preciso ter calma e não se desesperar, pois existem muitas coisas que podem ser feitas para combater as ilhas de calor:

A adoção de materiais para o calçamento de ruas, por exemplo, que absorvam a água, algo que seria muito bom para contornar o problema das enchentes também.

A instalação de materiais que refletem a luz solar, uma medida mais efetiva quando empregados em revestimentos de coberturas.

A criação de fontes e espelhos d’água, para aumentar a evaporação de água no ambiente. 

E, claro, uma das medidas mais efetivas para resolver o fenômeno das ilhas de calor são as plantas, muitas plantas, pois elas conseguem refrescar o ambiente de maneira muito eficiente. 

Esse fenômeno é muito perceptível em ruas muito arborizadas, como a rua mais bonita do mundo.

É perceptível a mudança de temperatura se compararmos uma rua cheia de árvores com uma rua sem qualquer planta, mesmo elas estando uma ao lado da outra.

Além disso, de acordo com o Departamento de Preservação e Recreação de Massachusetts, as regiões urbanas com muitas árvores apresentam 60% menos partículas de poluição, quando comparadas com as zonas urbanas convencionais.

As plantas também possuem a capacidade de diminuir a poluição sonora, e morar em uma rua arborizada pode refletir em uma grande valorização do imóvel.

Às vezes, os grandes centros urbanos sofrem com a falta de espaço, dificultando a inserção de plantas, por isso uma nova tendência vem surgindo: os telhados verdes.

Mais em Live

Arquitetura
Apartamentos para sonhar: superplantas pelo Brasil

Cinema, suíte com 220 m², sala de estar para funcionários e até vaga de estacionamento dentro da sala. Conheça extravagâncias e superplantas de apartamentos de luxo Brasil afora.   Adolpho Carlos […]

Continue lendo
Arquitetura
Suíte Vollard – QUE PRÉDIO É ESSE?

Se os planos da construção de um prédio giratório em Dubai impressionam, o que você dirá ao descobrir que o primeiro prédio giratório foi construído no Brasil e inaugurado em […]

Continue lendo
Arquitetura
8 dicas que você precisa saber antes de fazer uma reforma

Quando se quer reformar um apartamento, há dois caminhos possíveis: você pode contratar uma empresa especializada, como Decorati e Home Hero, para evitar  preocupações; ou você pode fazer da maneira […]

Continue lendo
Arquitetura
Casa das Rosas – QUE PRÉDIO É ESSE?

Na Avenida Paulista, a mais icônica de São Paulo, há uma lembrança do que foi o glorioso passado cafeeiro da cidade. A Casa das Rosas hoje abriga uma instituição ativa […]

Continue lendo
Arquitetura
Você sabe o que é Retrofit?

Apesar de bastante recorrente no mercado imobiliário e na construção civil, o termo retrofit ainda gera muita confusão. Seria retrofit uma reforma? A restauração de um edifício? Conheça o que […]

Continue lendo
Arquitetura
Edifício Pátio Victor Malzoni - QUE PRÉDIO É ESSE?

Quem passa pela Faria Lima, em São Paulo, e vê o imponente Edifício Pátio Victor Malzoni com seu vão livre de mais de 40 metros de largura a 30 metros […]

Continue lendo