Conheça o premiado Plano Diretor de São Paulo

O Plano Diretor Estratégico de São Paulo, sancionado em 2014, vai guiar os passos da cidade até 2029 e atraiu olhares da comunidade internacional.

No dia 5 de janeiro de 2017, o Plano Diretor de São Paulo foi eleito como um dos ganhadores de um concurso realizado pela ONU Habitat.

Disputando com mais de 140 candidaturas o plano paulista se destacou pelo seu propósito de tornar a cidade mais humana, promover transportes alternativos ao carro, aumentar as áreas verdes e se preocupar com a população de baixa renda.

Mas talvez você esteja se perguntando.

O que é o Plano Diretor de uma cidade?

O Plano Diretor é um meio de orientar a atuação do poder público e da iniciativa privada, obrigatório para toda cidade com mais de 20 mil habitantes.

Você já se perguntou porque Nova York tem prédios com mais de 500 metros e São Paulo não? Isso é por causa do Plano Diretor deles.

O Plano Diretor define como a cidade deve crescer e as direções que deve seguir.

O novo Plano Diretor de São Paulo quer uma cidade mais igualitária, com mais natureza e menos carros.

Veja a seguir os 4 principais pontos para realizar esse objetivo:

1. Aproximar as pessoas e o transporte público

A construção de prédios cada vez mais altos se espalhou pela cidade, mas agora existem novas regras para controlar essa verticalização urbana.

No interior dos bairros, novos prédios serão limitados a terem no máximo 8 andares.

Já em locais próximos a eixos de transporte, como estação de metrô e faixas exclusivas de ônibus, os prédios poderão ter uma altura quatro vezes maior do que o terreno que ocupam.

Essa estratégia é implantada para trazer cada vez mais moradores para locais que permitam um fácil acesso ao transporte público. Uma tentativa de inverter a situação atual, em que grande parte da população vive nas periferias, longe dos eixos de transporte.

Também para promover a ocupação dessas áreas, imóveis ociosos ou subutilizados, próximos a infraestruturas de transporte público, terão IPTU mais caro para estimular os proprietários a mudar sua situação.

2. Desestimular o uso do carro

Anteriormente, ao construir empreendimentos comerciais ou residenciais era necessário construir também uma quantidade mínima de vagas para carros.

Agora isso mudou, novos empreendimentos imobiliários que estejam sendo construídos próximos à estações de metrô e faixas de ônibus, não possuem mais a obrigatoriedade da construção de vagas para carros.

Inclusive o plano desestimula o grande número de vagas em condomínios, já que se você mora perto do metrô, teoricamente, o carro deixa de ser tão importante.

As diretrizes também buscam estimular os meios de transporte alternativos, como bicicletas, para complementar o transporte público. Um claro reflexo dessa política é o aumento das ciclovias em São Paulo.

3. Aumentar a área verde paulistana

Uma cidade mais verde, com mais parques e com a população mais engajada nos espaços públicos, esse é o objetivo para o futuro.

De acordo com o Plano Diretor, novos 164 parques públicos serão criados, quase dobrando a área verde de São Paulo. De 42 km² para 82 km².

Para viabilizar esse plano está prevista a criação de um Fundo Municipal de Parques, alimentado por recursos públicos e privados, que serão destinados à obtenção das áreas para a construção dos parques.

Dentre os novos parques que serão criados, certamente o que gera mais expectativa é a transformação do minhocão em um parque suspenso. Veja como será feito.

Além disso haverá a demarcação da zona rural paulistana, no extremo sul do município. Uma área verde que constitui 25% do território da cidade.

Um espaço que terá uma concepção multifuncional, com paisagens remanescentes da Mata Atlântica, produção de alimentos, manutenção da biodiversidade e que também trará opções de lazer.

4. Moradia para a população de baixa renda

O Plano Diretor de São Paulo pensa em uma cidade com espaço para todos, por isso se mobiliza para incluir os habitantes de renda mais baixa.

Para isso, as Zonas Especiais de Interesse Social, espaços onde são construídas moradias populares, terão um aumento de 117%.

Essas Zonas Especiais serão criadas em áreas centrais da cidade, justamente para integrar a população. Alguns locais reservados para essa iniciativa ficam nos bairros Santa Efigênia, Brás, Bela Vista e Jabaquara.

Para gerar um impulso financeiro que contribua para a construção dessas habitações populares, foi instituída uma cota de solidariedade.

Com essa cota os empreendimentos acima de 20.000 m² deverão realizar uma contribuição de um valor referente à 10% do terreno utilizado, para ser utilizado na construção dessas moradias.

Mais em Live

Arquitetura
Função e benefícios do projeto paisagístico

Paisagismo (ou arquitetura da paisagem) é a disciplina que promove o planejamento, o projeto, a gestão e a manutenção de espaços externos. Por meio do uso de elementos naturais (em […]

Continue lendo
Arquitetura
World Trade Center São Paulo – QUE PRÉDIO É ESSE?

Fundado em 1995, o World Trade Center São Paulo é considerado o maior complexo de negócios da América Latina. Sua construção foi um marco para a cidade. Situado em área […]

Continue lendo
Arquitetura
Apartamentos para sonhar: superplantas pelo Brasil

Cinema, suíte com 220 m², sala de estar para funcionários e até vaga de estacionamento dentro da sala. Conheça extravagâncias e superplantas de apartamentos de luxo Brasil afora.   Adolpho Carlos […]

Continue lendo
Arquitetura
Suíte Vollard – QUE PRÉDIO É ESSE?

Se os planos da construção de um prédio giratório em Dubai impressionam, o que você dirá ao descobrir que o primeiro prédio giratório foi construído no Brasil e inaugurado em […]

Continue lendo
Arquitetura
8 dicas que você precisa saber antes de fazer uma reforma

Quando se quer reformar um apartamento, há dois caminhos possíveis: você pode contratar uma empresa especializada, como Decorati e Home Hero, para evitar  preocupações; ou você pode fazer da maneira […]

Continue lendo
Arquitetura
Casa das Rosas – QUE PRÉDIO É ESSE?

Na Avenida Paulista, a mais icônica de São Paulo, há uma lembrança do que foi o glorioso passado cafeeiro da cidade. A Casa das Rosas hoje abriga uma instituição ativa […]

Continue lendo