Cidades inteligentes – O que esperar do futuro das cidades?

Cidades só podem se tornar realmente inteligentes por meio da informação, ou seja, para uma cidade ser considerada inteligente, é preciso saber o que se passa nela para decidir como agir.

Por isso, o primeiro passo para a formação de uma cidade inteligente é a captação de informação por meio de pesquisas que acontecem periodicamente e também por meio de informações obtidas em tempo real.

Porém, não basta apenas obter informações, é importante disseminá-las. Uma cidade inteligente é aquela em que os cidadãos recebem as informações para tomarem as melhores decisões no seu dia, como evitar uma avenida onde ocorreu um acidente, por exemplo.

É essencial, portanto, que as cidades estabeleçam uma base de informações e que elas sejam abertas ao público, open data. Além disso, é preciso que o cidadão não seja apenas um receptor de informações, mas também um disseminador delas.

Não é fácil obter informações em tempo real. A prefeitura pode instalar diversas câmeras e diferentes sensores, mas eles jamais enxergarão tanto quanto os olhos de todos os moradores da cidade, motivo pelo qual é importante estabelecer uma comunicação nos dois sentidos com os cidadãos. Especialistas afirmam que essa comunicação deve acontecer por meio de um dispositivo que está conosco o tempo inteiro, o celular.

O que fazer com toda essa informação?

De nada adianta acumular toda essa informação e não fazer nada com ela. O objetivo é usar esse conhecimento para implementar mudanças na cidade que irão melhorar a vida do cidadão.

Para uma cidade ser inteligente, é preciso pensar em soluções novas. A solução antiga para uma rua com muito trânsito, por exemplo, seria adicionar uma faixa extra, mas já se constatou que essa não é uma solução muito eficiente, pois logo surgem mais carros e o trânsito se mantém. 

Uma solução nova para uma cidade inteligente seria repensar a mobilidade urbana, investir em transporte público, meios de transporte alternativos, carros compartilhados, facilitar a moradias das pessoas perto do trabalho etc.

As melhorias devem ir além do planejamento urbano, também é preciso pensar em sustentabilidade.

A qualidade de vida do cidadão caminha junto com a preservação da natureza e a criação de áreas verdes, que contribuem para a qualidade do ar, a prevenção das ilhas de calor e a inibição de enchentes.

O Cities in Motion Index define 9 quesitos que compõem o nível de inteligência de uma cidade:

1 – Governança

2 –  Mobilidade

3 – Planejamento urbano

4 – Tecnologia

5 – Sustentabilidade

6 – Conexões internacionais

7 – Coesão social

8 – Capital humano

9 – Economia

Cidades inteligentes pelo mundo

Uma cidade inteligente que se destaca como uma promessa para o futuro é Songdo, na Coreia do Sul. Sua finalização está prevista para 2022, mas já existem moradores no local.

A mobilidade urbana foi pensada desde sua criação, com abundância de ciclovias, um canal e um lago com água do mar, que serve tanto como via para táxis aquáticos quanto para umidificar e regular a temperatura do ambiente.

A cidade possui diversas áreas verdes, representando 40% do território.

Songdo também conta com sensores subterrâneos capazes de interpretar o trânsito e programar os semáforos da maneira mais eficiente possível, além de uma rede pneumática que se estende por toda a cidade para captação de resíduos, que são reciclados para gerar eletricidade, praticamente eliminando a coleta de lixo tradicional.

De acordo com o Cities in Motion Index, o topo do ranking vem sendo disputado por Nova York e Londres. Veja o ranking das cidades mais inteligentes de 2019:

1 – Londres, Inglaterra

2 – Nova York, Estados Unidos

3 – Amsterdã, Holanda

4 – Paris, França

5 – Reykjavik, Islândia

6 – Tóquio, Japão

7 – Singapura, Singapura

8 – Copenhague, Dinamarca

9 – Berlim, Alemanha

10 – Viena, Áustria

Mais em Live

Arquitetura
Apartamentos para sonhar: superplantas pelo Brasil

Cinema, suíte com 220 m², sala de estar para funcionários e até vaga de estacionamento dentro da sala. Conheça extravagâncias e superplantas de apartamentos de luxo Brasil afora.   Adolpho Carlos […]

Continue lendo
Arquitetura
Suíte Vollard – QUE PRÉDIO É ESSE?

Se os planos da construção de um prédio giratório em Dubai impressionam, o que você dirá ao descobrir que o primeiro prédio giratório foi construído no Brasil e inaugurado em […]

Continue lendo
Arquitetura
8 dicas que você precisa saber antes de fazer uma reforma

Quando se quer reformar um apartamento, há dois caminhos possíveis: você pode contratar uma empresa especializada, como Decorati e Home Hero, para evitar  preocupações; ou você pode fazer da maneira […]

Continue lendo
Arquitetura
Casa das Rosas – QUE PRÉDIO É ESSE?

Na Avenida Paulista, a mais icônica de São Paulo, há uma lembrança do que foi o glorioso passado cafeeiro da cidade. A Casa das Rosas hoje abriga uma instituição ativa […]

Continue lendo
Arquitetura
Você sabe o que é Retrofit?

Apesar de bastante recorrente no mercado imobiliário e na construção civil, o termo retrofit ainda gera muita confusão. Seria retrofit uma reforma? A restauração de um edifício? Conheça o que […]

Continue lendo
Arquitetura
Edifício Pátio Victor Malzoni - QUE PRÉDIO É ESSE?

Quem passa pela Faria Lima, em São Paulo, e vê o imponente Edifício Pátio Victor Malzoni com seu vão livre de mais de 40 metros de largura a 30 metros […]

Continue lendo